Assinatura RSS

Arquivo da categoria: Refletindo

Bela, recatada e do lar

Publicado em

Oi gente,

Vocês devem ter visto que há algumas semanas a revista Veja publicou uma matéria sobre Marcela Temer, esposa do vice-presidente, Michel Temer. Não li a matéria, mas pelo que soube, a revista coloca Marcela como a perfeita primeira dama, bela, recatada e do lar.

gat

Do carnaval

Lógico que essa imagem da mulher perfeita, bela, recatada e do lar, deixou muitas mulheres insatisfeitas e gerou uma grande campanha no Facebook e outras redes sociais em que mulheres postavam fotos com a #belarecatadaedolar desafiando esse estereótipo. Não vou falar da matéria porque, como disse antes, não li, quero falar sobre a campanha das mulheres.

O estereótipo bela, recatada e do lar é empurrado pra gente desde que nascemos. Por mais que as mulheres estejam no mercado de trabalho (e as mulheres pobres sempre tenham estado), é bem comum aquele sonho do marido rico que nos sustenta, o cara que ganha o suficiente para pagar nossas contas e a gente até pode trabalhar, mas por diversão, porque queremos.  Com certeza também conhecemos muitas mulheres que pararam de trabalhar depois que tiveram filhos para se dedicar inteiramente a eles e ao lar.

Claro que a campanha não é contra a Marcela ou as outras mulheres, mas contra o sistema que nos empurra esse ideal e contra a revista que faz uma matéria dessas, elogiando e valorizando esse tipo de mulher. Pois bem, eu poderia discutir mil coisas sobre esse assunto, mas vou discutir mesmo a hashtag.

Vi várias amigas usando a tal hashtag (#belasrecatadasedolar) e muitas delas trocando as palavras. Trocaram recatadas por desbocadas, descabeladas e do lar por do mar, do bar entre outras palavras. Mas o bela, todas mantiveram o bela. Claro que podemos passar horas discutindo padrões de beleza e o que significa ser bela, mas aqui a questão está mais para a importância da aparência, de não conseguirmos nos livrar da obrigação de sermos sempre belas.

bela-recatada-e-do-lar-veja-machista-feminismo-beleza-padrão-isso-aquilo-e-tal

Será que a beleza precisa estar sempre entre nossas maiores qualidades? Será que é tão importante assim a gente ser “bela”? Será que se fôssemos elogiar um homem a beleza estaria entre as qualidades mais importantes?

Não estou aqui pra dar nenhum tipo de resposta, só para provocar a reflexão mesmo. Sempre foi nos cobrado que fôssemos belas, recatadas e do lar, já conseguimos nos revoltar contra o recato e o ser do lar, por que ser bela ainda é tão importante? Será que não devemos rever isso também? Não digo para nos considerarmos feias, mas para darmos valor a outras qualidades, sairmos das aparências, não sermos objeto decorativo de homem, mas importantes por nós mesmos.

Para me acompanhar sigam meu Instagram e a página do Facebook. Para receber os posts no seu e-mail, basta seguir o blog.

Beijos

Vale a pena #2

Publicado em

Oi gente,

Esse segundo Vale a pena tem uns textos que vão bem na contramão do primeiro.

Eu disse que tinha mudado algumas opiniões e alinhamentos, certo? Pois bem, convido todos a sempre refletirem sobre tudo que leem e buscar pontos de vista diferentes. O que posto aqui no blog não é verdade absoluta e nem se pretende ser, é apenas o que eu acredito e o que faz sentido pra mim. Vamos aos links então.

  1. Esse vídeo da Carol Wojtyla fala sobre vazamento de nude, inclusive sobre o vazamento de nudes em lugares supostamente seguros, como grupos feministas e lugares apenas com outras meninas.

  1. Esse vídeo é da Louie, uma menina lésbica falando sobre seu gênero, ser menina e menino, transgêneros e etc. Ela fala bastante sobre a vivência dela, acho bem interessante.

vulva-revolução-feminismo-radical-transfobia-terf

  1. Esse texto é bem polêmico. Eu adoro, mas sei que muita gente não vai concordar. Tudo bem ter uma visão diferente, vamos só manter o respeito, ok? Fala sobre transfobia, o termo TERF (que é trans-exclusionary radical feminism, ou feministas radicais que excluem trans) e o problema de usar esse termo.

liberdade-sexual-abuso-feminismo-isso-aquilo-e-tal

  1. Acho que todo mundo sabe que as mulheres estão lutando cada vez mais por sua liberdade sexual, certo? Por poderem fazer sexo quando quiserem, por poderem gostar de sexo sem se envergonhar e etc. Mas às vezes toda essa liberdade se torna uma prisão. O texto fala sobre isso (e eu quero fazer, mais pra frente, um post sobre também).

bissexual-lesbofobia-heterossexualidade-feminismo-isso-aquilo-e-tal

  1. Esse texto fala sobre bissexualidade e também sobre lesbofobia, sobre como muitas vezes nem percebemos a lesbofobia por aí, mas ela está presente e sobre como, muitas vezes bissexuais privilegiam relações com homens.

Esses são os links de hoje, se tiverem algum link legal também pra me recomendar, deixem nos comentários.

Para me acompanhar sigam meu Instagram e a página do Facebook. Para receber os posts no seu e-mail, basta seguir o blog.

Beijos

Mudanças e novos planos

Oi gente,

Quem acompanha (ou acompanhava) o blog percebeu que eu sumi completamente, né? Vou explicar um pouco o porquê e falar dos planos daqui pra frente.

desconstruir

Estou numa fase intensamente reflexiva da minha vida, principalmente reconsiderando muitos pensamentos que eu tinha. Então de repente esse blog, que refletia o que eu era, acreditava e gostava, ficou meio distante de mim mesma. Confesso que não estou sabendo administrar isso, aí me afastei.

Ainda bem que o nome do blog é isso, aquilo e tal, assim posso continuar mudando e sempre aqui, mas de repente, no seu espaço, terem textos que já não te representam é estranho. Ao mesmo tempo, tudo que escrevi aqui fez parte sim da minha vida, então também não me sinto a vontade pra apenas excluir só porque não concordo mais com aquilo.

A realidade é que não sei muito bem como prosseguir. Tenho muita coisa em mente, mas nada no papel (ou, no caso, na tela) e quero respeitar esse tempo meu também. Vou tentar continuar por aqui, mas sem pressões e sem datas (e isso é difícil pra mim, sou muito metódica) e ver se consigo reestruturar as coisas.

Pra mim nem sempre mudanças são fáceis, então já faz um tempo que estou pensando nessa reestruturação, mas sempre deixando pra depois o ato de realmente sentar e escrever esse post, que seria o início da mudança. Acho que toda mudança pode ser chamada também de amadurecimento, pelo menos quando são mudanças reais e profundas e amadurecer nem sempre é prazeroso, muitas vezes dói e dá vontade de voltar atrás, mas não é possível.

problematizar

Bem que muitas vezes a gente diz que a ignorância é uma bênção, né? Pois é, mas depois que você passa a enxergar de outro modo, depois que tiramos o véu, não é possível colocar novamente. Com isso quero dizer que coisas que eu pensava há alguns meses era como se a realidade estivesse coberta com um véu, aí tirei o véu e agora enxergo de outra forma. Claro que existem milhões de véus na realidade e a gente nunca para de abrir a cabeça.

Eu quero dizer com tudo isso que o blog vai voltar (espero), mas também que vai ficar mais político (falei nesse post sobre tudo ser político). Ainda vou postar maquiagem e produtos de cabelo? Sim, acredito que sim quando eu sentir vontade, mas acho que serão posts menos frequentes. E vamos continuar em busca da desconstrução e problematização sempre.

Para me acompanhar sigam meu Instagram e a página do Facebook. Para receber os posts no seu e-mail, basta seguir o blog.

Beijos

 

Refletindo – consumo consciente

Oi gente,

Atualmente está na moda ser ecologicamente correto, né?

compras-sacolas-refletindo-consumismo-consumo-isso-aquilo-e-tal

E é impressionante a quantidade de empresas que vendem essa imagem ou buscam mostrar para os clientes como se preocupam com o planeta com campanhas de reutilização, reciclagem ou diminuição do uso da água, etc. As empresas podem mudar a forma de produzir, distribuir, a propaganda, mas uma coisa não mudam, elas continuam querendo te convencer a comprar seus produtos. Querem convencer que ele é único e necessário para que a gente compre cada vez mais.

Eu não sou do tipo ambientalista nem nada, só não sou muito consumista de forma geral e não gosto de ser feita de boba. Por isso sempre questiono bastante antes de comprar qualquer coisa e não me deixo levar por produtos milagrosos ou aqueles que são apenas uma frescura e que eu vivo muito bem sem, obrigada.

cotonete-haste-flexível-demaquilante-refletindo-consumismo-consumo-isso-aquilo-e-tal

Na época em que saí da casa dos meus pais meu orçamento deu uma apertada e, pra poder continuar viajando e não atrasar as contas, cortei praticamente todas as compras de maquiagem, roupas, sapatos, etc e foi aí que vi como eu realmente não preciso de nada. Quando dá vontade de comprar algo reflito bastante, ás vezes compro, muitas vezes não.

Outro dia, por exemplo, vi em um blog que lançariam um objeto novo para ajudar a passar delineador nos olhos, ele lembra uma paleta de violão, mas adere na pele. Entendo que muitas pessoas têm dificuldade de delinear os olhos, eu também tenho, mas será que pagar U$16,00 seria a solução para isso? Existem milhões de formas de facilitar o delineador com coisas que temos em casa (colher, esparadrapo, colocar um cartão…), não precisa de um novo produto, bastante caro, para isso. É sobre isso que falo quando digo me sentir enganada.

liner-designer-beauty-blender-refletindo-consumismo-consumo-isso-aquilo-e-tal

E no mundo da beleza é o que mais tem, produtos que prometem facilidades que não são tão reais assim. É cotonete que já vem com demaquilante, água termal pra se refrescar nos dias de calor com preços altíssimos, objeto para evitar de sujar a pálpebra com o rímel… Claro que cada um vai decidir onde gastar seu dinheiro e o que é ou não inútil para si mesmo, só acho que devemos refletir nesse enorme aumento do consumo e na venda de coisas que supostamente facilitam muito nossa vida, mas na verdade é apenas mais uma inutilidade inventada pra conseguir nosso dinheiro.

Para me acompanhar sigam meu Instagram e a página do Facebook. Para receber os posts no seu e-mail, basta seguir o blog.

Beijos

Refletindo – é impossível ser feliz sozinho

Oi gente,

É muito comum encontrar pessoas, principalmente mulheres, solteiras em busca de um relacionamento sério.

relacionamento-sério-namoro-carência-pinguins-isso-aquilo-e-tal

Eu já fui essa pessoa e hoje quero refletir um pouco sobre o assunto. Pois é, há muitos anos atrás, lá em 2009 eu era uma pessoa que queria muito namorar, tinha terminado há pouco um namoro muito conturbado e problemático, não tinha autoestima e tinha carência de sobra, eu precisava de um namorado. Aí era eu mal conhecer alguém que já ia pensando se dava ou não pra namorar, se a gente combinava e tals. E esse desespero todo me levou sim a um namoro, um namoro de 20 dias com um cara que não tinha nada a ver comigo.

Hoje em dia eu penso bem diferente, não acho que buscar um namoro a princípio faça muito sentido. Entendo que tem gente que gosta de ter alguém do lado e tudo mais e busque essa estabilidade, eu também gosto e não tenho medo nenhum de assumir compromisso. O problema, na minha opinião, está em colocar o ato do namoro acima das pessoas envolvidas. Querer namorar independente de com quem seja pra mim é bem complicado.

relacionamento-sério-namoro-carência-mãos-dadas-isso-aquilo-e-tal

Pra mim namoro deve acontecer quando gostamos muito de alguém a ponto de querer namorar aquela pessoa e não porque foi a pessoa que apareceu na hora querendo nos namorar também. Não digo que a segunda opção não dá certo ou que seja pior, é só uma opção com a qual eu não concordo mais.

Além de poder trazer um relacionamento com alguém que nem tem tanto a ver com você ou que você nem gosta muito, eu vejo como problemático de o porque de estarmos sempre procurando alguém. Ser solteiro parece ser um grande problema pra sociedade e se você ainda não namorou ou está sem ninguém há um tempo não se preocupe, logo vai surgir alguém. Mas por que precisa surgir alguém? Por que vamos viver procurando e buscando namorar sempre?

relacionamento-sério-namoro-carência-isso-aquilo-e-tal

Eu particularmente passei a maior parte da minha vida (depois de perder o BV) namorando, então não sou autoridade pra falar no assunto, eu sei. Mas acho importante refletirmos sobre essa necessidade de termos alguém no campo afetivo/ amoroso e a busca do namoro acima da pessoa (ou pessoas) com quem vamos nos relacionar.

O que vocês acham sobre isso? Sentem essa pressão?

Para me acompanhar sigam meu Instagram e a página do Facebook. Para receber os posts no seu e-mail, basta seguir o blog.

Beijos

Refletindo – Jessica Jones

Oi gente,

Não tenho o costume de assistir seriados, mas comecei a ouvir todo mundo falando de Jessica Jones e me deu muita vontade de ver.

Jessica-Jones-seriado-relacionamento-abusivo-machismo-feminismo-isso-aquilo-e-tal

É um seriado do Netflix em parceria com a Marvel e conta a história dessa super heroína, Jessica Jones. Eu até gosto um pouco de super heróis, mas não foi isso que me fez querer ver a série. Vi muita gente falando que era uma série que retratava o abuso, relacionamentos abusivos e tinha mulheres fortes, representatividade negra e gay.

Pra começar, a Jessica tem sim super poderes, mas eles não são tão incríveis se a gente compara com os outros super heróis que estamos acostumados. Ela é forte, bem forte, mas não é invencível nem nada, é como se fosse uma pessoa realmente bem forte e ela também pula muito alto. Ela é detetive particular e resolve diversos tipos de casos, desaparecimento, marido traindo, enfim… Existem na série outras pessoas também com habilidades especiais, pessoas diferentes da Jessica, com outras habilidades.

Se você não viu a série e pensa em assistir, talvez seja melhor ler o resto do post depois, com certeza darei spoilers.

O vilão da série é o Kilgrave, que também tem poder. A habilidade de Kilgrave é o controle de mentes, ele pode controlar sua mente e te mandar fazer qualquer coisa, não importa o que ele manda, todos obedecem. E foi isso que aconteceu com a Jessica, ela passou um tempo tendo um relacionamento com ele, não porque ela queria, mas porque ele ordenava. O poder de Kilgrave não é absoluto, as pessoas ficam sobre seu poder apenas por um tempo, depois desse tempo ele tem que dar novas ordens, ou a pessoa estará livre. Também tem um alcance limitado, ele não pode chegar no rádio e controlar a cidade inteira.

Bem, a Jessica consegue se livrar desse relacionamento, mas não consegue tocar sua vida normalmente. Os fantasmas do seu passado estão presentes o tempo inteiro, ela tem problemas com bebida e muita dificuldade de seguir adiante. Está tentando se reestabelecer com uma carreira de detetive particular e aí ela tem contato com os pais de uma menina que está desaparecida, Hope.

Jessica-Jones-seriado-killgrave-relacionamento-abusivo-machismo-feminismo-isso-aquilo-e-tal

Ela investiga e encontra a Hope, mas ela não era apenas uma jovem desaparecida, ela era uma nova vítima de Kilgrave. A Jessica chega a devolver ela pros pais, mas a Hope mata os pais e vai presa. E aí a Jessica começa uma missão de conseguir capturar o vilão, sem matá-lo, para poder provar a inocência da Hope. A Jessica sabia exatamente o que era estar presa nesse relacionamento e sabia que a Hope era inocente, era uma vítima. E aí entra a discussão da culpabilização da mulher.

O Kilgrave representa o homem do relacionamento abusivo. Claro que o poder que ele tem mais intenso do que o que vemos na vida real, mas muito semelhante. Se Kilgrave manda uma pessoa se matar, ela se mata. Na vida real isso não acontece de fato, mas o número de mulheres mortas por parceiros é enorme. A mulher que está em um relacionamento abusivo muitas vezes se sente imobilizada, não consegue reagir, não consegue se livrar, assim como as vítimas da série. E assim como a Jessica e a Hope não são culpadas, a culpa também não é da mulher, ela é a vítima do relacionamento, ninguém apanha porque quer. Muitas vezes ela tem uma dependência emocional e psicológica tão grande que, apesar de saber que deve se livrar, ela não consegue.

Kilgrave é o maior vilão e sua relação com Jessica é a trama principal, mas não é o único ponto interessante da série. Como eu disse no início, podemos ver representatividade negra, personagens negros homens e mulheres e também representatividade lésbica.

Existem também outros relacionamentos bem problemáticos, como o de Trish Walker, melhor amiga de Jessica, e sua mãe. Embora sua mãe não tenha nenhum poder, ela tem uma capacidade de manipulação enorme e tem uma relação completamente abusiva com a filha. Quando Trish é criança ela trabalha em um programa na TV e sua mãe a controla completamente, a obriga a fazer o programa, como agir no programa, o que comer, o que fazer… É um relacionamento extremamente doentio e abusivo, embora a mãe de Trish não tenha nenhum super poder.

Trish, assim como muitas vítimas de relacionamentos tóxicos, morre de vergonha de sua relação com a mãe, mas não tem forças para se livrar dele. Jéssica, que é criada como irmã de Trish depois que sua família sofre um acidente, tenta ajudá-la e ameaça denunciar a mãe, mas a amiga implora para que não conte. Ela prefere esconder o relacionamento e continuar sofrendo com ele do que denunciá-lo. Pode parecer loucura, mas é muito comum que as vítimas estejam tão fragilizadas, que não conseguem denunciar, ou, logo após a denúncia, retirem a queixa.

Jessica-Jones-seriado-relacionamento-abusivo-machismo-feminismo-trish-walker-isso-aquilo-e-tal

Claramente as personagens fortes são as mulheres, Jessica, Trish, Jeryn Hogarth (chefe de Jessica) e é bem interessante como os homens brancos são retratados. Há dois homens brancos realmente importantes na trama, Kilgrave e Will Simpson, que se torna namorado de Trish num relacionamento também problemático. Há um momento em que Jessica, Trish e Simpson estão conversando e ele o tempo todo interrompe Trish, gritando mais alto que ela e a calando. Isso é tão comum na vida real que poderia até passar despercebido. Claramente Will acredita que ele, como homem, é quem deve resolver as coisas e chega a prender Trish em casa, impedindo que ela também aja.

Existem várias outras tramas na série, como a de Jeryn Hogarth, sua secretária, Pam, e a ex mulher, Wendy; Luke e a esposa assassinada Reeva Connors; e os pais de Kilgrave, mas esse post já está enorme. Acho que deu pra ver que eu gostei da série, né? Achei os assuntos tratados bem desenvolvidos e uma série de super heróis bem diferente das que eu já conhecia. Já viram essa série? O que acharam?

Para me acompanhar sigam meu Instagram e a página do Facebook. Para receber os posts no seu e-mail, basta seguir o blog.

Beijos

Vale a pena #1

Oi gente,

Decidi inaugurar essa nova seção aqui no blog, a Vale a pena.

comentários-refletindo-educação-internet-criticas

Eu sempre entro em um monte de sites, blogs, links e assisto á vídeos e várias vezes gosto tanto do que vejo/ leio que fico com vontade de mostrar pra todo mundo. Nesse tipo de post vou fazer exatamente isso, mostrar um pouco do que eu vi e acho que vale a pena vocês verem também. Não vai ter data certa, quando eu reunir alguns links que eu acho que valem a pena, vou postar aqui.

  1. Eu gosto muito desse canal de forma geral, mas esse vídeo em especial é muito bom. É meio antigo, do início do ano, mas vale a pena. É uma reflexão sobre os privilégios que temos na sociedade. Muitas vezes nos acostumamos tanto com a posição privilegiada que nem questionamos mais. Mas é importante sempre lembrar em que momentos somos sim opressores e o que podemos fazer quanto a isso.

  1. Eu falei um pouco sobre transexualidade há algum tempo, mas não sou transgênera, então, embora seja uma luta que eu apoie, não é minha luta. Nesse vídeo a Paula conta um pouco sobre ela e sobre coisas que não devemos dizer às trans. Ela tem também outros vídeos falando sobre preconceito, vlogs, reflexões…

relacionamento-abusivo-ele-nunca-me-bateu-violência-psicológica-isso-aquilo-e-tal

 

  1. Esse texto é maravilhoso, sobre relacionamento abusivo. Ele trata principalmente sobre as violências mais veladas, aquelas que não são físicas. Não é porque ele não te bate ou nunca encostou a mão em você que ele não pode ser abusivo. Você merece respeito e muito amor, então não pense que “não é tão ruim assim” ou que você vai ficar sozinha se terminar, liberte-se. (coloquei as palavras referentes ao abusador no masculino e referente à abusada no feminino porque a maior parte dos relacionamentos abusivos são assim, mas nada impede que no seu caso seja diferente).

afro-e-afins-empoderamento-negro-racismo-youtube-canal-isso-aquilo-e-tal

  1. Conheci esse canal há pouquíssimo tempo, ainda não vi todos os vídeos, mas gostei bastante, a Nátaly fala de diversas coisas e fala bastante de empoderamento negro. Acho ótimo porque eu, como pessoa branca, nunca sofri racismo e acho importante ouvir as negras pra tentar entender melhor e me reconstruir sempre.

desconstrução-chata-feminismo-machismo-racismo-homofobia-transfobia-gordofobia-preconceito-isso-aquilo-e-tal

  1. Esse texto me chamou atenção desde o título e é bem pequeno, super rápido de ler. Fala um pouco sobre o viés político da vida, de como a partir do momento que você toa consciência de diversos problemas no mundo, você passa a não compactuar mais com diversas coisas super aceitas e se torna a chata, a politicamente correta. A gente vê, diz e faz tanta coisa preconceituosa todos os dias, que se você começar a reparar nisso, com certeza será a chata que fica de mimimi e se vitimiza. Sorte que eu nunca tive problemas em ser chata.

Deixem nos comentários textos, vídeos, coisas que você viu por aí e merecem ser compartilhados.

Para me acompanhar sigam meu Instagram e a página do Facebook. Para receber os posts no seu e-mail, basta seguir o blog.

Beijos

recado