Assinatura RSS

Mil rosas roubadas – Silviano Santiago

Oi gente,

Estamos em Junho, hora de falar do livro de Maio do meses X livros. Não sabe do que se trata? Olha aqui. O livro do mês passado foi o Mil rosas roubadas, do Silviano Santiago (276 páginas).

foto1

O livro se inicia em um hospital com dois personagens, o narrador e seu amigo, Zeca, que está a beira da morte. Morre Zeca e o narrador não pode acreditar naquilo, além de perder seu amigo mais querido, perdeu também seu biógrafo. Sim, ele tinha a ideia de que Zeca seria o último a morrer e escreveria sua biografia. Como isso já não é mais possível, ele decide, então, escrever a biografia de Zeca. E essa é a história do livro, não a biografia de Zeca, mas o narrador biografando Zeca.

Além de amigo de Zeca, o narrador é também professor universitário e historiador e, realmente, vemos muitas marcas históricas durante a leitura. Ambos passaram a infância e adolescência em Belo Horizonte, então a cidade é descrita, o trajetos das ruas, as casas e as pessoas. Pessoas são pesquisadas e relações feitas, realmente estamos diante de um professor de história. Embora se comprometa em fazer a biografia do amigo, Mil rosas roubadas em nada se assemelha a outras biografias. Ela não só não segue uma ordem cronológica, como também não é realmente centrada na figura do Zeca. Para mim, aquela frase do Freud “Quando Pedro fala de Paulo mais sei de Pedro do que de Paulo” nunca me pareceu mais correta. Pelo menos nesse caso, ao falar de Zeca, o narrador acaba revelando muito mais sobre si mesmo. Na verdade não é que, ao falar do Zeca, revele sobre si mesmo, quer dizer, é também, mas é mais que Zeca não é o ponto central da trama, o ponto central é ele mesmo.

Zeca aparece muito, mas porque foi muito presente na vida do narrador. E não são apenas fatos narrados, mas toda a leitura é entrecortada por fatos históricos, reflexões do narrador e em muitos momentos esse narrador se dirige diretamente ao leitor. Confessa, inclusive, sua prolixidade. Sabe que não está indo direto ao ponto, tenta voltar ao assunto principal, mas acaba por se perder novamente. E assim é o livro, o narrador fala de Zeca e de si mesmo. E, por falar de si mesmo, fala mais do Zeca. Trata bastante da relação entre eles.

foto 2

Se conhecem em Belo Horizonte em um ponto de ônibus e ao fim da vida estão ambos no Rio de Janeiro. Um, professor universitário, funcionário público com estabilidade. Outro, artista. São dois homens, dois amigos muito diferentes que aprendem a conviver um com o outro. Mais do que aprendem, bem mais. Ambos homossexuais e descobrindo sua sexualidade, mas sem nunca se configurarem em um casal.

Mil rosas roubadas é uma mistura de biografia, ficção e ensaio e Zeca é Ezequiel Neves, amigo falecido de Silviano Santiago. Embora seja baseado em uma história real, uma amizade real, vidas reais e muitos personagens que aparecem são também reais, há muito de ficcional. Para começar a narrativa sai da memória do narrador e não podemos confiar na memória como sendo factual, principalmente quando falamos de contar algo em detalhes. Segundo há fatos deliberadamente fictícios, como o fato do narrador ser um historiador. Silviano é professor sim, mas de literatura.

Bom, confesso que tive dificuldade com esse livro, a leitura foi arrastada. No início eu estava gostando, mas não era algo que me prendesse, então tinha dificuldade de ler por muitas horas ou retomar a leitura no dia seguinte. Eu lia o livro, via todas aquelas voltas do narrador e estava esperando realmente a história começar, a narrativa, a biografia. Depois de algumas páginas eu desisti de esperar, aceitei que o livro seria assim, uma longa digressão, até o fim. Eu não tenho nada contra digressões, eu sou uma pessoa muito prolixa (só ver o tamanho dos posts do blog), mas a digressão dele não foi interessante para mim. Foi um livro difícil e tenho certeza que não captei nem metade de seu conteúdo, pois muitas vezes passava páginas e páginas sem de fato prestar atenção. E em momento nenhum me interessei em voltar. Acho que terminei o livro apenas por ele ser o livro do mês de Maio.

foto 3

Inclusive isso me fez refletir, quero continuar com o projeto sim (o meses X livros), mas não vou segui-lo todos os meses, vou buscar um livro que eu realmente queira ler com a letra do mês, se não encontrar, vou colocar outro no lugar. Não tenho nem ideia, por exemplo, de dois livros com a letra J para Junho e Julho. Falando da prolixidade do narrador, meu post já está enorme. No fim das contas realmente não gostei do livro.

Me contem os livros que estão lendo. Me acompanhem no Instagram (@juliakubrusly) e curtam a página do Facebook. Para receber os posts novos no seu e-mail, segue o blog.

Beijos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: