Assinatura RSS

Fotografia – Velocidade

Oi gente,

Já fiz vários posts sobre fotografia.

Fotografia – Introdução e tipos de câmera

Fotografia – Megapixel

Fotografia – Zoom

Fotografia – Balanço de brancos

A partir de agora vamos de fato mudar as fotos que tiramos, então para acompanharem os posts, precisam ter uma câmera com modo manual. O modo manual é o que vai permitir vocês decidirem como a foto vai ser tirada. Para definir certinho como a foto vai sair, vocês vão precisar mexer em três variáveis, vou falar de uma delas de cada vez.

Para tirar fotos no modo manual é muito importante conhecer o fotômetro, uma espécie de régua que mede a quantidade de luz que está entrando. Procure onde aparece o fotômetro da sua câmera, a aparência dele é essa aí embaixo.

fotometro

Fotômetro. Fonte: Google.

São três elementos que vocês vão escolher e que mexem com essa régua. Vocês podem perceber que existe um tracinho ou algo parecido que indica um ponto da régua, na maioria das vezes o ideal é deixar esse tracinho no meio, no zero. E é isso que o automático da sua câmera faz, deixa o tracinho no meio. Então qual a vantagem do manual? Como eu disse, são três variáveis. Com o modo manual vocês podem escolher o valor da cada variável e ir compensando nas outras pro fotômetro chegar no 0. Existem, em geral, várias configurações possíveis, a do modo automático é apenas uma delas e, não necessariamente, a melhor pro efeito que vocês querem. Além disso, vocês podem escolher não colocar o fotômetro no 0. Dependendo da situação vocês podem desejar uma foto mais escura, e aí vai colocar o fotômetro pro lado negativo em -1, -2, etc ou mais clara, com o fotômetro ajustado pro lado positivo, +1,+2, etc. No manual isso é possível.

Bom, então vamos ver uma variável de cada vez. A primeira será a velocidade. A velocidade determina quanto tempo o sensor (ou o filme) vai receber luz, quanto mais tempo, mais clara fica a foto. Mas não é só isso que a velocidade faz, se o seu sensor recebe luz por mais tempo, os objetos (ou pessoas) em movimento na foto sairão borrados ou tremidos. Por isso ajustar a velocidade é importante. Se estamos fotografando uma corrida, por exemplo, teremos que usar uma velocidade bem alta para que o corredor saia congelado. Essa próxima foto é do meu gato (ok, gato dos meus pais) bebendo água. Dá pra ver direitinho a língua dele, que se movia bem rápido, e também as gotas d´água caindo, a foto foi tirada em velocidade alta, assim o instante foi capturado. Se a velocidade fosse baixa, na região da língua a gente veria um borrão rosa e não ia distinguir as gotas de água.

DSC_0392

Ivan. Foto tirada em alta velocidade.

Então velocidades mais rápidas vão dar fotos mais escuras (menos tempo para a luz entrar) e o instante é capturado, o movimento não aparece. Velocidades mais baixas darão fotos mais claras e o movimento vai estar na foto. Nas duas fotos abaixo temos a imagem das cataratas em Foz do Iguaçu. Na primeira a velocidade está alta, podemos ver as “rugosidades” e detalhes da água, enquanto na segunda a água forma um véu usando uma velocidade mais baixa.

10830070_823359141078991_5486566717003121554_o

Cataratas do Iguaçu. Foto tirada com velocidade alta. Foto: Filipe Manzoni.

1597184_823359104412328_5694744120597946637_o

Cataratas do Iguaçu. Foto tirada com velocidade baixa. Foto: Filipe Manzoni

Então no modo manual a velocidade pode ser escolhida por vocês, dependendo do efeito que querem causar na foto. Mas não é só o movimento dos objetos fotografados que entram, movimentos da câmera e do fotógrafo também interferem no resultado final. Por isso devemos tomar cuidado com velocidades muito baixas ou usar um tripé para manter a câmera firme.

Não existe uma regra sobre qual a melhor velocidade para não tremer a mão, é uma coisa que depende da lente que você está usando e de quão firme é sua mão, mas existe um truque que nos ajuda a ter uma noção.

As câmeras mostram as velocidades de dois jeitos, o número puro ou o número seguido de aspas. O número puro representa uma fração de segundos, então quando vemos 30, por exemplo, na realidade temos 1 segundo dividido em 30, um trinta-avos de segundo, 1/30.  Se temos o número 90, será um segundo dividido por 90, 1/90. Por isso, a velocidade 90 é mais rápida que a velocidade 30. Assim é com os números que aparecem sozinhos, 100 é, na verdade, 1/100, 500 é 1/500 e etc. A velocidade mais rápida que a câmera oferece pode variar bastante, na minha cybershot, por exemplo, era 1000 (1/1000 ou um milésimo de segundos) e na minha atual é 4000 (1/4000), bem mais rápida.

Quando encontramos segundos inteiros a câmera representa o número seguido de aspas, então para um segundo temos 1″, para 15 segundos, 15″ e para 30 segundos, 30″. Se o número está sozinho (sem aspas), quanto maior, mais rápida a velocidade (500 é mais rápido que 100 porque 1/500 segundos é menos tempo do que 1/100 segundos). Se o número é seguido por aspas, quanto maior o número, mais devagar (10″ é mais devagar que 5″ porque dez segundos é mais tempo do que cinco segundos). A velocidade mais devagar em geral é de 30 segundos.

Outra coisa que devemos saber é que quanto maior a distância focal, mais fácil é o tremor da nossa mão atrapalhar a foto. Todo mundo já deve ter brincado com binóculo e aí percebeu que, a olho nu é muito mais fácil encontrar o que se está procurando. A mesma coisa acontece com o zoom da câmera. Quando aumentamos a distância focal na câmera (por exemplo 100mm) é bem fácil a gente perder o ponto observado, qualquer tremidinha te faz mudar completamente o campo de visão. Por isso, a velocidade mínima que conseguimos usar sem tremer varia de acordo com a distância focal. Existe um truque que diz que a velocidade deve ser, no mínimo, um segundo dividido pelo valor da distância focal.

Como assim? Com uma lente de 10mm vocês poderiam usar a velocidade 1/10 sem tremer. Com uma lente de 50mm, 1/50 e com uma lente de 100mm, 1/100. Então conforme aumentamos a distância focal (100mm é maior que 10mm), devemos aumentar a velocidade (1/100 é mais rápido do que 1/10). Mas isso depende muito da firmeza da sua mão. É legal conhecer esse truque para ter uma ideia, mas não levem esses números como verdades absolutas.

No próximo post vamos aprender sobre outra variável da fotografia. Qualquer dúvida podem perguntar nos comentários, no instagram (sigam lá, @juliakubrusly) ou página do Facebook.

Beijos

Anúncios

»

  1. Ju, o Ivan também é seu gato. Continuo aprendendo muito com seus posts.
    Beijos mis
    Lucia

    Curtir

    Responder
  2. nossa, muito bacana. Adorei a fotografia com o gatinho *0*

    somundomeu.blogspot.com.br

    Curtir

    Responder
  3. Nossa que demais isso! Nem sabia que dava tanta diferenca..

    https://isabellamadureira.wordpress.com

    Curtir

    Responder
  4. Pingback: Fotografia – Abertura – parte 1 | Isso, aquilo e tal

  5. Pingback: Fotografia – Abertura – parte 2 | Isso, aquilo e tal

  6. Pingback: Fotografia – Filtro polarizador | Isso, aquilo e tal

  7. Pingback: Fotografia – colocando em prática #2 – Fotos noturnas | Isso, aquilo e tal

  8. Pingback: Fotografia – Colocando em prática #3 | Isso, aquilo e tal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: